Artigos

Na Alegria ou na Tristeza: Conecte-se !!!

Quem é que nunca teve um “dia daqueles” …perdeu a linha com o filho adolescente imerso na puberdade em polvorosa… O  País vivendo uma crise política, econômica e  social talvez nunca até então experimentada . Esgotada  mentalmente com  quase duas horas de negociação numa língua que não domina, só amenizada o colóquio pela boa vontade de uma amiga “tradutora” e por final  uma sensação de frustração de não gerenciar os serviços domésticos como idealizava.. Aí você chega no final do dia e tem um aniversário de uma amiga querida, que não vê há muito tempo. Você se arrasta ( carregada por outras) e vai!

Chega lá você começa a observar e ouvir, conectando-se com  outras mulheres, na maioria desconhecidas . Vai se firmando uma conexão sutil de empatia e compreensão – são as oxitocinas , o hormônio do amor,  da amizade  e você vai percebendo cada uma delas. Cada uma com suas histórias, com  seus medos,  gargalhadas e seus choros. Você finalmente sai de seu universo caracosal   (perdoe-me a invenção linguística) que te colocou numa posição de estagnação ( ou se preferir, vitimização) e vê que por mais dificil que às vezes se mostre nossa  rotina, Deus, o Universo, A Lua, ou qualquer nome que vc queira dar, que Essa Energia superior nunca te desampara. Pelo contrário, Ela te envia sempre oportunidades para você levantar e sacudir a poeira.

Quando permitimo-nos ser nós mesmas com autencidade, seja na alegria ou na tristeza, tudo se ajeita depois do caos. Ou melhor,  o Caos continua, mas nosso  olhar para ele é totalmente outro!

Portanto, deixo aqui meu apelo para você. Seja você mesma em toda sua intensidade. Foque nos seus pontos mais legais para aumentá-los exponencialmente e trabalhe para transformar suas cacas internas em algo menos desequilibrado. Claro que a  Vida não nos dá garantias para nada. Mas uma coisa eu tenho certeza quando a gente se dedica em ser nosso melhor,  nosso olhar para o caos é totalmente reconstrutor!

(Texto escrito em Março de 2016 – 9 meses num novo País, ainda com o cinza frio do inverno- numa fase “punk” de reinvenção!)

 

Previous
Next

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *